' psycho poet

Somos todos
um bando de viciados,
enquanto o mundo
não para nunca,
acelera
e nos engole.

Viciados
nas imagens cinematográficas
no noticiário da Folha de domingo
no rebolado de Cecília na avenida
na bebida, no Malboro, na escrita,
no sorriso escancarado de Joel
no espetáculo tragicômico da vida
no amor
na ferida
nas flores que despistam a morte
na despedida.

Somos todos
um bando de viciados
enquanto o caos
não para nunca,
acelera
e nos engole por dentro.

E depois do estrago o suicídio abre as gavetas
e escrevemos todas as magoas, as metades, as perdas
escancaramos nossas almas sem sinal nem cortinas
iniciamos o espetáculo da utopia desvanecida
porque chorar se torna medíocre
porque as mãos estão suadas e escorregadias
porque você não se cansa de ir embora
porque a visão não permite mais o foco

e a realidade escapole e afoga
e o amor alucina e ressuscita a única saída,
a poesia.

Somos um bando de poetas enlouquecidos.

"
Elisa Bartlett (via elisabartlett)

(Source: oxigenio-dapalavra, via elisabartlett)

uma composição escrita
escondida no seu guarda-roupa
sempre dá pra se mofar
em meio a trouxa de culpa
um abraço sem jeito
mofado no seu peito
cheio de desespero

se acalma
que não é hora
de desnorteio
é hora de se vestir
se sentir do avesso

eu sei que o cotidiano
da gente tem sede
de aperto
e que tem dias que
o sol vira neblina

deve existir
uma esquina pra gente
deixar essa mania de
esquizofrenia
um beco obscuro
pra gritar nossa
destreza num muro
pra desbotar nossa
trova nova e
explodir nosso eco

bombardeio
e espero a esmo.

"
Vitória Carvalho (via euforiapoetica)

(via euforiapoetica)

Please, Please, Please Let Me Get What I Want
The Smiths
The Sound Of The Smiths (Deluxe Edition)
168,579 plays
nuncafuitandelirante:

If you like your coffee hotLet me be your coffee pot
Há bastante deslealdade, ódio, violência, absurdo no ser humano comum para suprir qualquer exército em qualquer dia. E o melhor no assassinato são aqueles que pregam contra ele. E o melhor no ódio são aqueles que pregam amor, e o melhor na guerra, são aqueles que pregam a paz. Aqueles que pregam Deus precisam de Deus, aqueles que pregam paz não têm paz, aqueles que pregam amor não têm amor. Cuidado com os pregadores, cuidado com os sabedores. Cuidado com aqueles que estão sempre lendo livros. Cuidado com aqueles que detestam pobreza ou que são orgulhosos dela. Cuidado com aqueles que elogiam fácil, porque eles precisam de elogios de volta. Cuidado com aqueles que censuram fácil, eles têm medo daquilo que não conhecem. Cuidado com aqueles que procuram constantes multidões, eles não são nada sozinhos. Cuidado com o homem comum, com a mulher comum, cuidado com o amor deles. O amor deles é comum, procura o comum, mas há genialidade em seu ódio, há bastante genialidade em seu ódio para matar você, para matar qualquer um. Sem esperar solidão, sem entender solidão, eles tentarão destruir qualquer coisa que seja diferente deles mesmos."
Charles bukowski  (via capitule)

(Source: euprofundo, via capitule)

As festas me deixavam doente. Detestava as falsas aparências, os jogos sujos, os namoricos, os bêbados amadores e os chatos. Como solitário, eu não suportava invasões. Isto não tinha nada a ver com ciúmes, simplesmente não gostava de pessoas, multidões, onde quer que fosse, exceto nas minhas leituras. As pessoas diminuíam-me e deixavam-me sem ar."
Bukowski.  (via reclinado)

(Source: narcoticismo, via reclinado)

worlddelevingne:

cara blog
Se não cessas de correr, marulhando no ar tépido com as tuas mãos como natatórios, olhando furtivamente tudo diante de que passas no meio-sono apressado, acontecer-te-á também um dia deixar passar diante de ti o carro. Se te mantiveres firme, pelo contrário, com o poder do teu olhar fazendo crescer as raízes em profundidade e em comprimento - nada então te poderá eliminar - em virtude não das raízes, mas da força do teu olhar que escruta - será então que verás o longínquo imutavelmente obscuro de onde nada pode surgir a não ser precisamente uma vez este carro que rola para ti, que se aproxima cada vez maior e que, no próprio instante em que entras em tua casa, enche o mundo enquanto mergulhas nele como uma criança no banco acolchoado de uma diligência que corre através da tempestade e da noite."
Franz Kafka - Meditações. (via flo-reando)

(Source: segredou, via flo-reando)

markmcevoy:

Some of my best friends are